Você é advogado e ainda não aceita cartão de crédito? Está perdendo dinheiro!

Se você não oferece essa opção de pagamento ao seu cliente, sinto-lhe informar que está deixando de fechar valiosos contratos!

ISSN 2526-1681

Não é segredo que angariar clientes e fechar bons contratos no início da advocacia é tarefa árdua.

É realmente desafiador gerar autoridade e conquistar a confiança das pessoas quando se é recém-formado, principalmente quando a advocacia é a primeira atividade profissional desenvolvida na vida.

Muitos se formam sem estagiar e/ou sem antes ter trabalhado com contato direto ao cliente, fechando contratos, recebendo pagamentos, etc., o que dificulta o início da carreira, já que, afinal, além de saber o Direito, o advogado tem de criar e desenvolver habilidades empreendedoras.

Ocorre que, além da dificuldade naturalmente inerente a um mercado cada vez mais saturado, muitos advogados, por inexperiência, também contribuem com o insucesso em se fechar um contrato de honorários.

Numa economia em crise como a nossa, é raro que o cliente médio tenha condições de pagar à vista os valores de honorários exigidos pelo advogado, constantes das tabelas da OAB.

Nesse cenário, o jovem advogado, tal como este que vos escreve, diante das despesas pessoais e profissionais recorrentes e com medo de não conseguir fechar o contrato, acaba se sentindo tentado a baixar os honorários. Contudo, isso não deve ser feito porque, como já sabemos, desvaloriza a imagem do profissional e avilta toda a advocacia.

Então, como “vender” seus serviços para um cliente desconhecido, que quer contratá-lo, mas não tem condições de pagar à vista, sem que, com isso, tenha de baixar o valor dos honorários ou correr o risco de trabalhar e não receber posteriormente?

A solução é simples e já vem sendo adotada pelos comerciantes há muito tempo, mas, curiosamente, ainda não é oferecida por muitos advogados: o cartão de crédito.

Ao oferecer a possibilidade de receber pagamentos por cartão de crédito, o advogado resolve vários problemas de uma vez só: 1) garante o fechamento do contrato com o cliente que não tem condições de pagar à vista; 2) ganha prestígio com o cliente por demonstrar interesse no patrocínio da causa e 3) tem a garantia de que irá receber seus honorários, independentemente de problemas financeiros futuros que o cliente venha a enfrentar.

Por um pequeno percentual a ser cobrado sobre o valor a ser parcelado no crédito, o advogado elimina o risco de não receber e de não fechar um bom contrato.

Portanto, eu te recomendo fortemente a maquininha de cartão que uso, a Point Mini do Mercado Pago. As taxas são as menores que encontrei no mercado e, mesmo vendendo parceladamente, você consegue receber o valor integral no mesmo dia da venda.

É importante frisar que a maquininha do Mercado Pago não tem mensalidade, de modo que o advogado só paga um percentual se efetuar a “venda” e, ainda, pode delegar o pagamento desse percentual ao cliente.

Você pode comprar
a Point Mini com um
desconto especial clicando aqui.

Até a próxima!