Polícia Civil pede prazo maior para concluir inquérito sobre suposto estupro de Neymar

Segundo a delegada responsável pelo caso, o prazo maior se faz necessário para a análise das imagens das câmeras de segurança do hotel onde a modelo e o jogador ficaram hospedados em Paris.

Imagem: REUTERS/Luiza Gonzalez

ISSN 2526-1681

A Polícia Civil de São Paulo decidiu solicitar um prazo maior para concluir as investigações do inquérito que apura a acusação de estupro da modelo Najila Trindade contra o jogador Neymar.

O pedido, feito no último dia de prazo, segue agora para manifestação do Ministério Público, após o que o juiz responsável poderá determinar o prazo extra que os investigadores da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher terão para concluir o inquérito.

A delegada responsável pelo caso, Juliana Bussacos, pediu a transferência do inquérito para a Vara de Violência Doméstica de Santo Amaro, por entender que havia uma relação entre Neymar e Najila.

Dentre as razões para o pedido de prazo adicional está a necessidade de análise das imagens das câmeras de segurança do hotel em Paris onde a modelo e o jogador se encontraram, que ainda não estão de posse da polícia brasileira.

Com o fim das investigações, a autoridade policial responsável pelo caso encaminhará relatório ao Ministério Público que poderá oferecer denúncia, pedir o arquivamento do inquérito ou requisitar novas diligências.